domingo, 23 de março de 2008

Aleatório

Oi!
Olá.
Como você está?
Err... hmmm... bem...
Nossa, tem muito tempo que não a via!
Ahm... desculpa, mas nos conhecemos?
Sim, claro! Não sei se está lembrada de mim, foi há algum tempo atrás...
Desculpe-me, mas realmente não estou lembrada.
Nós estudamos juntos durante uma semana, num seminário.
Há quanto tempo atrás?
Uns três anos, eu acho.
Mas nós nos falamos? Creio que lembraria de você.
Sim, nos falamos uma vez. Você deixou sua caneta cair no chão, do meu lado. Eu a peguei para você e você me agradeceu.
E isso foi tudo?
Foi.
Nossa! Que memória!
Mas não é só isso... você tem que ver a mensagem por trás do que aconteceu aquele dia.
E qual seria esta?
O que tivemos foi uma conexão de almas. Nos olhamos nos olhos, nossas mãos se tocaram, trocamos palavras de agradecimento e gestos de gentileza. Nesse dia eu tive certeza que você seria a pessoa que eu gostaria de viver pro resto da vida.
Você tá falando sério?
Eu sabia que a reencontraria! Pensei bastante em você durante todos esses anos, esperando por nosso reencontro, e ele finalmente aconteceu.
Eu, eu... não sei o que dizer!
Diga que me ama! Diga que me aceita, que aceita ficar comigo pra sempre.
Você é louco, e tá começando a me assustar...
Não me leve a mal, por favor... não a quero perder de novo!
Me perder? Mas você nunca me teve!
Nos meus sonhos você era minha.
Nos meus, você não existia.
Talvez eu existisse, e você não percebia. Você nunca percebeu, mas eu sempre estive lá.
Chega dessa loucura, vou sair daqui.
Não se vá, por favor! Me escute... e o que é o amor, senão loucura?
Amor? Nem nos conhecemos!
Você que pensa assim... mas estou cem porcento disposto a lhe conhecer completamente, se você me permitir.
Não, obrigada. Maluco.
Por que se esconder por trás de agressividade?
Dê-me uma chance! Sou inofensivo... você nunca teve um amor platônico.
Já, vários...
Então?
Mas eu nunca faria isso.
Isso o quê? Será que não vê? Você tem medo. Morre de medo.
E quem não tem?
Todos têm. Mas às vezes devemos passar por cima disso.
E se você for um psicopata?
Você nunca saberá se não tentar!
...
Vamos, eu lhe pago um café e podemos começar...
Eu prefiro cappuccino.
Cappuccino é perfeito.
Então, vamos?
E eu tenho outra alternativa?
Sempre há outra alternativa.
Certo, vou com você... Mas, ei! Eu nem sei seu nome! E nem você o meu!
Não se preocupe, temos todo o tempo do mundo...

.


* Dying - Hole

Remember, you promissed me
I'm dying, i'm dying, please....

4 comentários:

Luh disse...

Eu adoro esse tipo de situação. Gostei desse diálogo meeeesmo. E, credo, eu acho que tenho muita paixão platônica para uma pessoa só. Um dia ainda escrevo sobre isso.
beeijo

larice disse...

Ninin, que diálogo legaaaal.
A parte do capuccino *refinada ela*
HUAHSUAHSUAHUS
Gostei da cor do blog! :D
:*

Lanna Costa disse...

Genial! Se todos tivessem tal audácia, muitos não viveriam só de amor platônico. Quisera eu ter tal atitude, poderia ter vivido ou estar vivendo muitos amores reais e não somente platônicos. Quisera eu ter tido a coragem da outra pessoa, a audácia de se permitir viver o desconhecido, poderia ter vivido ou estar vivendo muitas coisas boas. A vida é bem isso: coragem tanto pra agir, quanto para sofrer a ação. Adorei!

Lanna Costa disse...

Genial! Se todos tivessem tal audácia, muitos não viveriam só de amor platônico. Quisera eu ter tal atitude, poderia ter vivido ou estar vivendo muitos amores reais e não somente platônicos. Quisera eu ter tido a coragem da outra pessoa, a audácia de se permitir viver o desconhecido, poderia ter vivido ou estar vivendo muitas coisas boas. A vida é bem isso: coragem tanto pra agir, quanto para sofrer a ação. Adorei!